Objeto Direto

Objeto Direto

Do ponto de vista da sintaxe, objeto direto é o termo que completa o sentido de um verbo transitivo direto, por isso, é complemento verbal, na grande maioria dos casos, não preposicionado. Do ponto de vista da semântica, o objeto direto é:

- o resultado da ação verbal, ou

- o ser ao qual se dirige a ação verbal, ou

- o conteúdo da ação verbal.

O objeto direto pode ser formado por um substantivo, pronome substantivo, ou mesmo qualquer palavra substantivada. Além disso, o objeto direto pode ser constituído por uma oração inteira que complemente o verbo transitivo direto da oração dita principal. Nesse caso, a oração recebe o nome de oração subordinada substantiva objetiva direta.

Exemplos:

  1. O amor de Mariana transformava a minha vida.

...[transformava: verbo transitivo direto]

...[a minha vida: objeto direto]

...[núcleo: vida = substantivo]

  1. Conserve isto na tua memória: vou partir em breve.

...[conserve: verbo transitivo direto]

...[isso: objeto direto = pronome substantivo]

  1. Não prometa mais do que possa cumprir depois.

    ...[prometa: verbo transitivo direto]

...[mais do que possa cumprir depois: oração subordinada substantiva objetiva direta]

Os objetos diretos são constituídos por nomes como núcleos do segmento. A noção de núcleo torna-se importante porque, num processo de substituição de um nome por um pronome deve-se procurar por um pronome de igual função gramatical do núcleo. No exemplo (1) acima verificamos um conjunto de palavras formando o objeto direto (a minha vida), dentre as quais apenas uma é núcleo (vida = substantivo). Podemos transformar esse núcleo substantivo em objeto direto formado por pronome oblíquo, que é um tipo de pronome substantivo. Além disso, nesse processo de substituição, devemos ter claro que o pronome ocupará o lugar de todo o objeto direto e não só do núcleo do objeto. Vejamos um exemplo dessa representação:

O amor de Mariana transformava a minha vida.

O amor de Mariana a transformava.

Os pronomes oblíquos átonos (me, te, o, a, se, etc.) funcionam sintaticamente como objetos diretos. Isso implica dizer que somente podem figurar nessa função de objeto e não na função de sujeito, por exemplo. Porém algumas vezes os pronomes pessoais retos (eu, tu, ele, etc.) ou pronome oblíquo tônico (mim, ti, ele, etc.) são chamados a constituir o núcleo dos objetos diretos. Nesse caso, o uso da preposição se torna obrigatório e, por conseqüência, tem-se um objeto direto especial: objeto direto preposicionado.

Exemplos:

  1. Ame ele que é teu irmão. [Inadequado]

    Ame-o que é teu irmão. [Adequado]

  2. Você chamou eu ao teu encontro? [Inadequado]

    Você me chamou ao teu encontro? [Adequado]

    ...[me: pronome oblíquo átono = sem preposição]

    Você chamou a mim ao teu encontro? [Adequado]

    ...[a mim: pronome oblíquo tônico = com preposição]

Tópicos Relacionados:

Previous Next Tela de apresentação