Sujeito

Sujeito

Sujeito é um dos temos essenciais da oração. Tem por características básicas:

· estabelecer concordância com o núcleo do sintagma verbal

· apresentar-se como elemento determinante em relação ao predicado

· constituir-se de um substantivo, ou pronome substantivo ou, ainda, qualquer palavra substantivada

O sujeito só é considerado no âmbito da análise sintática, isto é, somente na organização da sentença é que uma palavra (ou um conjunto de palavras) pode constituir aquilo que chamamos sujeito. Nesse sentido, é equivocado dizer que o sujeito é aquele que pratica uma ação ou é aquele (ou aquilo) do qual se diz alguma coisa. Ao fazer tal afirmação estamos considerando o aspecto semântico do sujeito (agente de uma ação) ou o seu aspecto estilístico (o tópico da sentença). Já que o sujeito é depreendido de uma análise sintática, vamos restringir a definição apenas ao seu papel sintático na sentença: aquele que estabelece concordância com o núcleo do predicado. Quando se trata de predicado verbal, o núcleo é sempre um verbo; sendo um predicado nominal, o núcleo é sempre um nome.

Exemplos:

  1. A padaria está fechada hoje.

    ...[está fechada hoje: predicado nominal]

...[fechada: nome adjetivo = núcleo do predicado]

...[fechada: nome feminino singular]

...[a padaria: sujeito]

...[núcleo do sujeito: nome feminino singular]

  1. Nós mentimos sobre nossa idade para você.

    ...[mentimos sobre nossa idade para você: predicado verbal]

...[mentimos: verbo = núcleo do predicado]

...[mentimos: primeira pessoa do plural]

...[nós: sujeito]

...[sujeito: primeira pessoa do plural]

A relação de concordância é, por excelência, uma relação de dependência, na qual dois (ou mais) elementos se harmonizam. Um desses elementos é chamado determinado (ou principal) e o outro, determinante (subordinado). No interior de uma sentença, o sujeito é o termo determinante, ao passo que o predicado é o termo determinado. Essa posição de determinante do sujeito em relação ao predicado adquire sentido com o fato de ser possível, na língua portuguesa, uma sentença sem sujeito, mas nunca uma sentença sem predicado.

Exemplos:

  1. As formigas invadiram minha casa.

    ...[as formigas: sujeito = termo determinante]

...[invadiram minha casa: predicado = termo determinado]

  1. Há formigas na minha casa.

    ...[há formigas na minha casa: predicado = termo determinado]

...[sujeito: inexistente]

O sujeito sempre se manifesta em termos de sintagma nominal , isto é, seu núcleo é sempre um nome. Quando esse nome se refere a objetos das primeira e segunda pessoas, o sujeito é representado por um pronome pessoal do caso reto (eu, tu, ele, etc.). Se o sujeito se refere a um objeto da terceira pessoa, sua representação pode ser feita através de um substantivo, de um pronome substantivo ou de qualquer conjunto de palavras, cujo núcleo funcione, na sentença, como um substantivo.

Exemplos:

  1. Eu acompanho você até o guichê.

    ...[eu: sujeito = pronome pessoal de primeira pessoa]

  2. Vocês disseram alguma coisa?

    ...[vocês: sujeito = pronome pessoal de segunda pessoa]

  3. Marcos tem um fã-clube no seu bairro.

    ...[Marcos: sujeito = substantivo próprio]

  4. Ninguém entra na sala agora.

    ...[ninguém: sujeito = pronome substantivo]

  5. O andar deve ser uma atividade diária.

    ...[o andar: sujeito = núcleo: verbo substantivado nessa oração]

Além dessas formas, o sujeito também pode se constituir de uma oração inteira. Nesse caso, a oração recebe o nome de oração substantiva subjetiva:

É difícil optar por esse ou aquele doce...

...[É difícil: oração principal]

...[optar por esse ou aquele doce: oração subjetiva = sujeito oracional]

É importante conhecer outras particularidades do sujeito:

sujeito posposto

Tópicos Relacionados:

Previous Next Tela de apresentação